quarta-feira, 8 de junho de 2016

Passa o tempo e volta e meia eu lembro do quanto eu te amava. No quanto ainda amo. Com o passar do tempo me dei conta de que muitas memórias se foram, simplesmente não as tenho mais.
Existe, no entanto, uma coisa que realmente não consigo explicar: apesar de não lembrar mais com perfeição do seu rosto, me assusto como todas as vezes que lembro de você, sinto o gosto do seu beijo e isso vai além, consigo sentir seus lábios nos meus, consigo sentir a sensação de te abraçar, a textura da sua pele em contato com a minha, me lembro perfeitamente de como seu corpo se encaixava no meu.
Eu te amo desde o dia que nos conhecemos, mas de certa forma não me lembro de quando tive certeza disso.
Entretanto, me lembro perfeitamente do dia em que tive certeza de que te amava mais que tudo no mundo e que queria ficar com você pra sempre:
" Ergui os olhos e te vi na minha frente, meu mundo parou eu só via você, e tudo o que eu conseguia pensar era em o quanto eu queria te abraçar, te abraçar o mais forte e o mais apertado que eu conseguisse, até que finalmente nos tornássemos um só e assim então, eu nunca mais teria de viver sem você."
Queria acrescentar que nada mudou.
- Mikail Levinski, cartas que ela nunca lerá.

Nenhum comentário:

Postar um comentário